A Fifa avalia aplicar punições mais rigorosas para casos que envolvam racismo no futebol. O presidente Joseph Blatter levantou a possibilidade de rebaixar de divisão equipes que estejam envolvidas em atos ofensivos. Em 15 de fevereiro, o comitê de estratégia da entidade, que também é comandado por Blatter, irá se reunir em Zurique, na Suíça, para estudar mudanças nos estatutos da Fifa sobre o tema. A brasileira Marta, maior nome do futebol feminino, representa os atletas no comitê. 
 
 
Blatter esteve no fim de semana na Rússia, que sediará o Mundial-2018, e se encontrou com representantes do comitê organizador da Copa. “O mundo todo combate o racismo e a discriminação. O futebol é parte da sociedade e deve ser exemplo. Sem punições severas, nada irá mudar”, afirmou Blatter. 
 
 
Na análise de membros da Fifa, sanções como multas ou partidas com portões fechados são ineficientes para combater ofensas raciais. Avaliam que as multas não atingem os torcedores, responsáveis por atos de racismo na maioria dos casos. As partidas de portões fechados, segundo Blatter, punem fãs que não têm envolvimento com o ato. “Podemos analisar, deduzir pontos do time na competição ou até aplicar o rebaixamento”, declarou o cartola. 
 
 
A Fifa afirma que, desta forma, poderia inibir atitudes racistas porque haveria a preocupação de torcedores e jogadores de evitar a queda para uma divisão inferior. Poderia ainda levar outros torcedores a agirem como vigilantes contra as ofensas. 
 
 
O caso mais recente de racismo envolveu o atacante de Gana e do Milan, Kevin-Prince Boateng. No último dia 3, o Milan disputava um amistoso contra o Pro Patria, time da quarta divisão italiana, quando Boateng pegou a bola com as mãos e a atirou contra torcedores que estavam na arquibancada. Ele deixou o gramado dizendo que estava sendo insultado. O time todo do Milan decidiu abandonar a partida. 
 
 
“Precisamos acabar com esses gestos não civilizados”, afirmou o técnico do time italiano, Massimiliano Allegri. Blatter já disse ser contra o abandono de campo nesses casos. Segundo ele, o árbitro deve relatar o ocorrido na súmula para que haja punição ao clube e aos ofensores. 

 

 

Fonte: Correio / FolhaPress

Compartilhar
Av. Joana Angélica, n.° 399, Ed. Fernando José - Nazaré, tel: 55 71 3202-3602 / 3202-3608