A abertura do 1º Encontro de Ouvidores das Cidades-sedes da Copa do Mundo reuniu nesta segunda-feira (27), no Centro de Convenções, representantes das 12 capitais brasileiras que vão receber o maior evento mundial do futebol. O encontro será encerrado nesta terça e tem como objetivo debater como será a atuação das ouvidorias municipais e estaduais na Copa, uma vez que o serviço é, até então, inédito em um torneio da Fifa. A proposta é criar um canal direto de comunicação através do qual o público poderá fazer sugestões, reclamações e denúncias, referentes aos serviços públicos e à organização geral.       

 

O encontro é uma iniciativa da Ouvidoria Geral do Município, com a Ouvidoria Geral do Estado e apoio de entidades representativas, a exemplo das ouvidorias gerais da União (OGU) e do Ministério do Esporte (OME), Escritório Municipal da Copa (Ecopa), Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa), Associação Brasileira de Ouvidores (ABO) e a Associação Nacional de Ouvidorias Públicas (Anop).

 

Durante a solenidade de abertura, o ouvidor-geral do município, Humberto Viana, destacou que o papel da instituição é atuar na defesa dos direitos do cidadão, com relação aos serviços prestados pelos órgãos públicos. "Usando como exemplo o Carnaval que é um grande evento do qual a OGM já participa, procuramos conhecer quais os impactos dos serviços prestados aos cidadãos. Isso é importante, porque muitas vezes não enxergamos questões que o público capta no meio da festa", explicou Viana, que coordenou a solenidade junto com o ouvidor-geral do Estado, Jones Carvalho.

 

No primeiro painel do dia, que teve a participação da ouvidora do Ministério do Esporte, Ivonete Nascimento; do dirigente do Escritório Municipal para Assuntos da Copa do Mundo, Isaac Edington; e do secretário estadual da Copa, Ney Campello, foi abordado o tema "Os megaeventos esportivos no Brasil e a ouvidoria no esporte brasileiro: os direitos do cidadão". Ivonete lembrou que a realização do evento terá grandes impactos nas cidades-sedes tanto do ponto de vista da infraestrutura - com obras viárias e construção de estádios - como em relação à atração de turismo e captação de negócios não relacionados diretamente à Copa.

 

Ela acredita que esses pontos acabaram sendo revertidos em geração de emprego e consolidação de novos negócios. Segundo Ivonete, com a participação das ouvidorias na Copa do Mundo, o Brasil inaugura um novo processo nos eventos da Fifa. "Procuramos e não identificamos em nenhum lugar mundo um exemplo de atuação de ouvidorias em evento de Copa do Mundo. Por isso é importante estarmos aqui discutindo como vamos atuar", afirmou a ouvidora.

 

Foram realizados o painel "A importância da ouvidoria para os megaeventos esportivos do Brasil: impactos sociais e mecanismos de redução de violação dos direitos fundamentais" e uma mesa-redonda para a apresentação das ideias das ouvidorias estaduais e municipais dos estados e cidades-sedes. O primeiro debate da terça-feira terá como tema a inclusão e transparência nos megaeventos, com a participação dos institutos Ethos e Pró-cidadania.

 

Em Salvador, o público pode entrar em contato com a Ouvidoria através da página www.salvadoratende.ba.gov.br ou pelo telefone 156. A OGM possui também os telefones fixos (71) 2203-5008/5009, com atendimento de segunda a sexta, das 8  às 17h, e presencial na Travessa Santa Bárbara, Edifício Aliança Comercial, nº 4, 7º andar, de segunda a sexta, das 8  às 17h.

Fonte: Agecom 

Compartilhar
Av. Joana Angélica, n.° 399, Ed. Fernando José - Nazaré, tel: 55 71 3202-3602 / 3202-3608