A presidenta Dilma Rousseff afirmou nesta sexta-feira (21.02), durante entrevista coletiva após encontro com o Papa Francisco, que pediu ao Santo Padre uma mensagem pela paz e contra o preconceito, que serão os temas da Copa do Mundo de 2014. Para Dilma, a presença do Papa no Brasil na Jornada Mundial da Juventude foi um momento de grande interlocução de espíritos em que o povo brasileiro mostrou sua generosidade e “abraçou” Francisco.

“Vim aqui porque a Copa do Mundo vai ocorrer no Brasil em junho e julho. E eu vim dizer para o Santo Padre que vamos fazer uma Copa com um tema muito importante. O tema é uma Copa pela paz e uma Copa contra o racismo”, afirmou. “O Papa concordou em gravar uma mensagem nesse sentido. É uma forma de mostrar que o futebol, ao congregar centenas de nações, criar um espírito de fraternidade e despertar tanta emoção, também é o momento para defendermos a paz e nos manifestarmos contra o preconceito, causas que unem todos os povos e religiões”, afirmou a presidenta.

Dilma presenteou o Papa Francisco com uma bola autografada pelo jogador Ronaldo, uma camisa da seleção brasileira autografada por Pelé e uma coleção de livros sobre a história dos jesuítas no Brasil. Ela também brincou com a rivalidade entre brasileiros e argentinos no futebol.

“Fiquei feliz de estar aqui e necessariamente falamos a respeito dessa questão que, sempre que brasileiros e argentinos se encontram e falam sobre a Copa, é tocada: a questão de quem ganha a Copa do Mundo. A única coisa que pedi era que a neutralidade fosse mantida por parte do Santo Padre e assim a ‘Mão de Deus’ não empurrasse a bola de ninguém”.

Acolhimento

A presidenta disse que a ida do Papa ao Rio de Janeiro na Jornada Mundial da Juventude foi um momento muito importante para o Brasil.

“Acho que o Brasil mostrou ao Papa aquilo que tem de melhor, que é essa imensa generosidade do povo brasileiro, aquela capacidade de acolhimento. Acho que o Brasil abraçou o Papa e mostrou também que a contribuição do Papa é em termos dos valores que ele transmitiu naquele momento. Nós somos um Estado absolutamente laico. O Papa, como um chefe de Estado, foi recebido. Mas ele também teve esse papel inequívoco, que foi expressar valores, que são os valores da fraternidade, da solidariedade, da relação um com o outro de forma respeitosa. E mostrou a possibilidade de um grande congraçamento de pessoas com um grau de pacifismo imenso. Então foi um momento especial para o Brasil”.

Sobre a nomeação do arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani Tempesta, como cardeal, a presidenta disse estar muito feliz com a indicação feita pelo Papa. Neste sábado (22), Dilma estará presente no consistório, cerimônia na qual o Santo Padre ordenará os novos cardeais.

“Eu fiquei muito feliz com a indicação de Dom Orani. Eu acredito que foi mais uma manifestação muito boa que o Papa teve em relação ao Brasil. Acho que a escolha do Dom Orani é uma escolha merecida. Dom Orani, além de ser um homem de fé, é uma pessoa com grande capacidade de solidariedade, que se interessa pelos movimentos sociais, pelos pobres. Então eu estou aqui inclusive para prestigiar a nomeação do Dom Orani como cardeal”.

 

Fonte: Secopa

 

 

Compartilhar
Av. Joana Angélica, n.° 399, Ed. Fernando José - Nazaré, tel: 55 71 3202-3602 / 3202-3608